Palavras, ditas vivas, sentimentos, vivos tambem, um pouco de mim, aqui, para ti que lês, que vês, assim.... Comentários são sujeitos a análise prévia, em face dos abusos cometidos por algumas pessoas.
Quarta-feira, 23 de Março de 2005
Aritméticas
Tentei encontrar uma lógica aritmética para o Amor. As contas de somar não deram certas, as subtracções também não, das de multiplicar nem falo, enfim, resta-me a divisão.

Um mais um não deveria dar dois, mas deu, culpa minha, que me detive na prova dos nove, tentando entender a lógica da orgia sentimental que banha o um mais um da equação do nós.

Depois, nem à luz do silogismo aristotélico consegui descobrir o porquê dos erros da multiplicação, de facto dois vezes um não dá dois.

Por fim, na divisão, ando aqui intrigado, dois a dividir por dois dá zero, impossibilidade aritmética mas pragmáticamente correcta.

Conclusão, vou queimar a tabuada, reescrever os tomos de matemática onde aprendi a lógica, repensar a valia dos números e seus pais, os algarismos, vou deixar-me de silogismos e vou deixar de contar pelos dedos, a matemática não tem segredos mas o Amor, esse está cheio de incógnitas, de indecisões, de inverdades, de covardias, essas supremas ironias que o fazem incontável.

Não sei se tente as equações, tentei o máximo denominador comum, mas deu apenas um, vou tentar a geometria, talvez até a trignometria, tanta coisa, tanto tentar, tanta procura da verdade, mas sempre vou parar a uma realidade, já não sei o que é Amor.


publicado por PAU_LINDO às 10:03
link do post | favorito

De Anónimo a 25 de Março de 2005 às 14:31
Ousou ser como Jobim que disse na vida ser sempre bom multiplicar, demonstratar por A mais B que até gosta imensamente de alguém, utilizando quem sabe uma fração infinitesimal,
criando um caso de cálculo integral...pois é...sabe, a matemática não é para qualquer um ou melhor até será agora resolver teoremas ...requer uma especial concentração, aquela que é totalmente inimiga da dispersão, como sabe quem muito se dispersa, perde-se!

Talvez vc, aí, tenha criado um caso de cálculo integral e para resolver este problema eu tenho um teorema banal: Mude! mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade.

(gostei de saber que se dispersou...no mínimo, está vivo).

Abrç

Tania
</a>
(mailto:AbominoVulgaridades@hotmail.com)


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.