Palavras, ditas vivas, sentimentos, vivos tambem, um pouco de mim, aqui, para ti que lês, que vês, assim.... Comentários são sujeitos a análise prévia, em face dos abusos cometidos por algumas pessoas.
Domingo, 24 de Dezembro de 2006
Amanhã é Natal ?
Há um ano, dois, mais, ainda se lembram do sucedido por volta do Natal?
Tsunami, catástrofes naturais, mortos, feridos, desalojados, lágrimas, saudades, tristezas, sorrisos apagados, vidas desfeitas, hoje talvez refeitas, mas a dor da perda sempre presente, sempre igual, ontem hoje e ainda amanhã que é dia de Natal.
 
Lembram-se daqueles países distantes, dizemos nós, em que milhares de crianças morrem de fome, todos os dias, numa desumanidade sem igual, ontem, hoje e ainda amanhã que é dia de Natal ?.
 
Lembram-se de todos os que, por desdita, por sina, por fado, por sei lá o que mais, povoam os centros de saúde, as clínicas e os hospitais, aqueles que estão doentes sózinhos, que estão mal, ontem, hoje e ainda amanhã que é dia de Natal ?.
 
Lembram-se daqueles que hoje olham as montras com um vazio no olhar, com a nostalgia de quem mal tem o suficiente para se alimentar, mas, continuam a lutar e dizem aos filhos que brinquedos bonitos eram os de madeira, os de metal, não compram, só olham, ontem hoje e ainda amanhã que é dia de Natal ?
 
Lembram-se do amor, da amizade, do carinho, da ternura, da compreensão, da dignidade, essas chamas vivas da família, esses catalisadores da vida, tão desvalorizados em prol de outros valores, mais materiais, mais modernos diz-se hoje, mais actuais?
 
 
Ontem, hoje e amanhã que é dia de Natal, lembrem-se disto tudo e muito, muito mais e façam de cada ano uma sucessão de muitos, muitos Natais.
 
 
Feliz Natal
 


publicado por PAU_LINDO às 14:51
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 1 de Dezembro de 2006
Natal, pois...
Entre sorrisos e afagos, entre palavras de esperança e de amor, de fraternidade, de cuidado, entre tantas e tantas mensagens de boa vontade, chegamos a mais um Natal.
 
Pensar nos olhos das crianças que abrem presentes é lembrar o vazio nos olhares de todas as outras que nem sabem o que é o Natal, não sabem nem sonham que há amor, carinho, calor, tudo coisas que não conheceram, às vezes perguntam-se se nasceram ou se a vida desses outros meninos não será apenas um sonho, uma falácia, contada por alguns que tiveram a sorte de lhe passar perto.
 
Mas, depois volta a rotina, aquela senhora que passa todos os dias e olha de soslaio, desconfiada, aquele rapaz bem vestido e gordo que o persegue com desdém e violencia.
 
Dir-se-á que é a sociedade de classes, a pobreza e a riqueza, o desiquilíbrio social, inventam-se nomes, até soluções, palavras de circunstâncias, dão-se perdões, faz-se uma visita ao passado recente, argumentam-se purgatórios, lembram-se os infernos, tantos e tantos, e, volta-se a passar a meia-noite com os nossos, os que nos são do peito, do coração, sim, esses, que os outros não são nossos, não são de ninguém.
 
Mas, ainda há os que passam o Natal sózinhos, com o coração apertado pela tristeza, pela fome, pela doença, pela dor, agora coisa da moda, pela solidão, há ainda os que não passam o Natal porque morrem, porque partem, deixam lágrimas no dia dos sorrisos, mas esses não contam para a história do Natal.
 
Este ano não escrevo ao Pai Natal, não tenho dinheiro para o selo, mas escrevo a todos os outros, para que, se é verdade que uma palavra pode mudar o Mundo, possamos mudar algo.
 
Ontem foi Natal, hoje já é um outro dia, as luzes na Praça já não têm a mesma graça, já não brilham igual, sim porque hoje é outro dia, hoje já não é Natal.


publicado por PAU_LINDO às 15:30
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 14 de Outubro de 2006
Resistir
Continuam, resistem, a tudo e a todos, morrem de fome aos milhares, diáriamentem e, no entanto, continuam a resistir, a alumiar a chama do amor, o de seus pais, o de muitos que lutam a seu lado, tentando debelar esse crime que a humanidade comete, deixar morrer as crianças.
 
Resistem, de forma peculiar, a tudo e a todos, brincam com a morte, com granadas, com bonecos de arame, com pedaços de morte, brincam e resistem, insistem em viver, e cometem o crime, o supremo crime, o de nascer.
 
Ei-las ali chapinhando num esgoto imundo, brincando, gritando, saltando, fugindo, inchando, de fome, definhando, morrendo, mas ainda assim, presenteando-nos, ironia suprema, com um sorriso ingénuo do tamanho do MUNDO.
 
Desculpem, mas, são milhares de sorrisos que todos os dias teimam em resistir, vamos tentar não chorar e, lutando com e como eles, aprender a sorrir.


publicado por PAU_LINDO às 15:31
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Segunda-feira, 9 de Outubro de 2006
Sagradas

Descobrir a beleza, encará-la, deixar-se ir no seu enlevo, é coisa de criança em loja de brinquedos ou de adulto em revelados segredos, mas, a beleza emancipa-nos, faz de nós pessoas melhores, gente que já viu, que já chorou, que sente saudade de quem partiu, de quem, na vida, nos olhou e com sua beleza nos agraciou.

 

Hoje olho uma bailarina, dançando num rodopio de emoções, movimentos de sonho, quase impossíveis, para si tão fáceis, tão aparentemente fáceis, e, extasiado com tal beleza, deixo-me levar naquela graciosidade, a música, o movimento, o vôo daquele cisne.

 

As imagens, que antes descrevi, perspassaram o meu imaginário lembrando a graciosidade de tantos e tantos bailados que a vida me proporcionou. A vida é pródiga em bailados, uns com movimentos graciosos e arrebatadores, outros, mais frequentes, com movimentos descoordenados e toscos.

 

Em todos os momentos, como com todos os bailados, sempre aprendi algo, ora a beleza do belo, ora a ausência desta fazendo lembrar a sua valia, sempre retirei algo de bom do mau, sem deixar de querer aprender a ver o belo, mesmo onde ele parecia não existir.

 

Mas, admito que estou cansado, a luta foi sempre grande e, hoje, passada tanta beleza, vejo tanto e tanto lodo que se me tolda a visão, o raciocínio, esse vai fazendo por claro ser, mas o resto está cansado, abatido, prostrado e, apetece-me desistir de o belo ver, desiste de me extasiar, desistir de viver.

 

Sobra-me o perfume da manhã, o chilreio dos pardais, as pessoas, vejo-as banais, sem valores, casuais, sobrevivendo sem nada mais, apenas um dia a menos ou a mais, uma imensa mole de poucos sisos, onde se apagam as dignidades, se matam os sorrisos.

 

Não quero viver assim, com gente que se vende por um lugar ao Sol, por uma cama, por um lençol, gente que se diz Homem ou Mulher e, no fundo, se comporta como um(a) qualquer.

 

Pobres Putas, tantas vezes evocadas, que por comparação parecem vacas sagradas ao lado das sagradas que vacas são.

 

Perdoai-me aqueles que continuam sendo de valor, pessoas para quem a dignidade é um rigor, estou farto de ver tanto estertor, tanta vergonha apelidada de vida.



publicado por PAU_LINDO às 18:03
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 28 de Setembro de 2006
Tristeza

Esta tristeza maldita que me está a consumir, que não me deixa respirar, não me deixa sorrir, este horror que me retira tudo, rouba-me até o amor.

 

Esta distância terrível que me separa da felicidade, dessa felicidade com que tanto sonhei, desse sonho que tantas e tantas vezes alimentou a esperança num amanhã melhor.

 

Esta vida de luta, de esforço, de convicções fortes, tudo parece ter valido a pena quando no horizonte vislumbramos a felicidade.

 

Esta tristeza maldita, que me roubou o sorriso, tenho que a matar antes que me acabe com o siso, estou certo que, junto da felicidade, encontrarei força para vencer e voltar a sorrir, a viver.

 

Amo a vida .



publicado por PAU_LINDO às 13:47
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

Segunda-feira, 11 de Setembro de 2006
5 anos

1 minuto de silêncio

1 dia de horror

 

Destruição

Egoísmo

 

Sandice

Estupidez

Terror

Erro

Medo

Bestialidade

Raiva

Odio



publicado por PAU_LINDO às 17:23
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 1 de Setembro de 2006
Ordens inversas

Se eu sou a Morte e a tu a Vida, se eu sou o sal e tu o mar, se eu sou a lágrima e tu o riso, então busquemos uma forma, algo carente de siso, em que a morte brinca e a vida chora, a loucura impera, o certinho desespera e tu e eu andamos de mãos dadas num jogo profano, o da mentira certinha, da verdade e do desengano.

 

Encontramos os jogos da incerteza, da alegria e tristeza, as traições, as coisas de cada humano, mas, nós que somos eternas, na nossa contradição, buscamos apenas uma palavra que nos livre desta maldição.

 

Esta eternidade que nos assombra, à Vida e à Morte, persegue-nos e não nos deixa viver, ou será que não nos deixa morrer, afinal trocámos de papel e ambas estamos tristes, sem brincar, somos infelizes, acho que por não sabermos amar.

 

Eu (a Vida) que hoje faço de má, não preciso de me esforçar muito, afinal, para muitos, sou um suplício, uma pena e apareces tu como libertadora desses castigo.

 

Eu (a Morte) que hoje faço de boazinha, muitas vezes apareci para remediar um final inadiável que não passa de uma vida de dor e sem fim, por isso apareçi e resolvi aquilo que tu, ó Vida, não resolveste por mim.

 

Fico sem saber quem é a boa ou a má, sei apenas que para ambas há um lugar, para ambas há um momento, um tempo espacial, nenhuma delas é o bem ou o mal, mas, para já, prefiro dizer à Vida e à Morte que há algo que as suplanta, que nos permite estar na Vida e na Morte e sermos vivos na mente de outros, ainda que mortos, na realidade.

 

Ò Morte, ò Vida, parem de brincar, dêem as mãos e descubram o que é Amar.

 



publicado por PAU_LINDO às 11:50
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Quinta-feira, 31 de Agosto de 2006
Olhar

A infinidade de um olhar, que rasga o horizonte, o futuro, um olhar que procura outro, ou apenas um porto seguro, essa intensidade, não adivinhada, apenas constatada, essa imensidão do sem fim, esse olhar que toca bem fundo, que se cola a mim.

 

Um dia esse olhar encontra outro, cruzam-se como se por um acaso, uma coisa que não se esperava, é certo que se desejava, por isso se olhava, se buscava, mas, não se esperando não se acreditava que ia, de facto, acontecer, que se ia, com outro cruzar, e que iam gostam de se olhar, que iam querer deixar de olhar, iam querer começar a ver.

 

Dois olhares, ora um só, que se apaixonam quando se cruzam, se acariciam quando sorriem, quando choram também se unem, são um só na alegria, na dor, no sorrir, no prazer, serão coisas próprias de quem deixou de olhar e começou a ver.

 

Hoje quero poder olhar e ver. 



publicado por PAU_LINDO às 17:31
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Terça-feira, 22 de Agosto de 2006
I Love You Very Much...à brava !!!

Conhecem-se, vão para a cama e chamam-se de amor?

Conhecem-se e, só porque dormiram juntos, já se amam?

Hoje estão com o A, amanhã estão com o B e amam, o A, o B ou os dois?

Mas que raio de amor é este que muda de mão em uma semana?

Hoje amo a Manuela, amanhã a Francisca, depois de amanhã a Josefina, aos sábados amo a Antonieta, aos domingos a Ofélia, será assim o amor?

Ou isto será tontice e falta de cabeça, coisas de gente que não sabe o que quer e grita, aos quatro ventos, um amor que não existe?

Amor é entrega, luta, dedicação, futuro, presente, passado, amanhã, é coisa que não vai e vem em uma semana, é coisa construída a dois.

Amor é isso tudo e sacrifício, briga, sorriso, carinho, encontros e desncontros, passagens de uma relação que se fortalece por e com o AMOR.

O resto é treta, é “ficar”, é “affaire”, não é amar.

Escrevo este texto porque vejo alguns amigos e amigas utilizarem a palavra amor com uma ligeireza desconcertante que me deixa lívido.

Ora sejam felizes, mas, não usem a palavra AMOR de ânimo leve.

Amar é sublime, não é vulgar.



publicado por PAU_LINDO às 17:20
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sábado, 19 de Agosto de 2006
Eu amo e sei
Eu amo,
Eu amo e sei o que é ser amado,
Eu amo e sei o que é essa loucura de se ser querido, desejado,
Eu amo e sei o que é sonhar, dormindo ou acordado,
Eu amo e posso ao mundo gritar,
Eu amo e sei o que é amar.


publicado por PAU_LINDO às 21:41
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

Amanhã é Natal ?

Natal, pois...

Resistir

Sagradas

Tristeza

5 anos

Ordens inversas

Olhar

I Love You Very Much...à ...

Eu amo e sei

arquivos

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Julho 2004

Junho 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds